Dezembro laranja: aprenda como utilizar corretamente o protetor solar.

Pensando na enorme incidência dos casos de câncer de pele, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) resolveu lançar a campanha ”Dezembro Laranja”. Com o intuito de promover a conscientização de se prevenir este e outros males causados pela exposição indevida ao sol, a ação visa difundir a importância do uso correto do protetor solar. Confira algumas dicas para não errar na hora de utilizá-lo:

1- Escolha o mais adequado ao seu tipo de pele:

Há uma infinidade de tipos de protetores solares no mercado e cada um deles atende à uma necessidade em específico. Entenda:

- Peles claríssimas:
Muito sensíveis à luz do sol, tendem à vermelhidão ao invés do bronzeamento e são as mais propensas ao câncer. Indica-se fatores de proteção acima de 60.

- Peles claras:
Embora sejam um pouco mais pigmentadas que as claríssimas, ainda apresentam dificuldades em se bronzearem, o que faz com que necessitem de um produto com proteção solar de no mínimo 50.

- Peles morenas claras:
Com certa tendência a ficarem bronzeadas, precisam de fatores de proteção maior que 45, caso estejam sem tomar sol há algum tempo. Após alguns dias de exposição, pode-se reduzir para 30.

- Peles morenas escuras:
São pigmentadas, mas não podem dispensar a proteção solar de no mínimo 30, pois podem desenvolver manchas e outras complicações de maior seriedade.

- Peles negras:
Com maior pigmentação que as demais, não sofrem com as terríveis queimaduras. Protetores de fator 15 são recomendados para utilização diária e os de 30, quando sabe-se que o tempo de exposição ao sol será maior.

2- Atente para a correta aplicação:

O protetor solar deve ser aplicado diariamente e de forma generosa sobre todas as áreas que ficarão expostas ao sol. O ideal é reaplicar o produto a cada 2 horas e em caso de suor abundante, sempre que necessário. Quem possui histórico de câncer de pele na família deve procurar o auxílio de um médico dermatologista para acompanhamento mais aprofundado.

3- Cuidados com as crianças:

Após os 6 meses de vida, a criança já deve fazer uso do protetor solar. É importante que seja um produto desenvolvido especificamente para a pele dessa faixa etária, já que é bastante delicada.

Prevenção do câncer de mama, para mulheres e homens.

Algumas dicas que podem te ajudar a prevenir!

O câncer de mama, embora seja responsável por uma grande quantidade de óbitos todos os anos no Brasil e no mundo, é uma doença que tem cura. Todavia, de acordo com o INCA (Instituto Nacional de Câncer), o câncer de mama é um dos tipos de tumor maligno que mais atinge as brasileiras e um dos que mais causa mortes entre o sexo feminino em nosso país.

Essa grande ocorrência de casos fatais se deve principalmente a falta de prevenção, pois a detecção do câncer de mama em seus estágios iniciais é um fator determinante para que seja possível vencer essa doença.

O câncer de mama surge quando as células dessa região passam a se dividir de maneira anormal (acelerada), o que favorece o desenvolvimento do tumor maligno. A ocorrência dessa doença é mais comum após os 35 anos, sendo que a maioria dos casos acontece em pessoas com mais de 50 anos. É importante ressaltar que esse tipo de câncer também atinge os homens, embora em uma porcentagem bem inferior àquela observada nas mulheres.

Mostraremos a seguir como ambos os sexos podem se prevenir contra essa doença. Acompanhe e tire todas as suas dúvidas.

Fazer o autoexame da mama constante

Na verdade, o termo prevenção em relação ao câncer de mama se refere mais ao fato de detectar o seu surgimento precocemente, pois devido a diversos aspectos relacionados a essa doença ainda não existem meios precisos de evitá-la. Com isso, a melhor maneira de impedir o surgimento dos tumores é não deixar que condições de risco se instalem e estimular os aspectos que são considerados protetores contra esse tipo de câncer.

No entanto, tanto as mulheres como os homens podem tentar detectar a presença de algum nódulo em suas mamas (principal sintoma da doença) por meio do autoexame, que deve ser realizado mensalmente, principalmente em pessoas com mais de 40 anos.

Fazer uma mamografia a cada dois anos após os 50 anos

O exame de mamografia é a maneira mais eficiente de observar a ocorrência do câncer de mama. Esse exame é bastante preciso na detecção de qualquer anormalidade na mama, mesmo quando o nódulo ainda está no início de sua formação e não é possível encontrá-lo por meio do autoexame. Assim, a mamografia deve ser realizada pelo menos uma vez a cada dois anos por pessoas com mais de 50 anos.

Adotar medidas que protegem o corpo contra o Câncer

Existem diversos fatores que favorecem o surgimento do câncer de mama, tais como questões genéticas, obesidade, idade avançada, condições reprodutivas, entre outras.

Dessa forma, manter uma alimentação saudável e nutritiva, evitar o consumo de bebidas alcoólicas e praticar atividades físicas regularmente são algumas boas medidas que podem ser adotadas para evitar o surgimento de características favoráveis ao desenvolvimento do câncer de mama.

Câncer de Pele

Atualmente, o câncer de pele corresponde a quase 25% dos casos de câncer diagnosticados na população. Esse tumor se desenvolve através do crescimento anormal de determinadas células que fazem parte da pele e podem originar diferentes tipos de câncer, de menor ou maior gravidade.


Os principais sintomas da doença são o aparecimento de nódulos avermelhados ou em tonalidade escura na pele, que sangram com facilidade e se parecem com feridas que não se cicatrizam. Em muitos casos, o câncer de pele também se manifesta através de pintas ou manchas de aparência incomum que causam coceiras e sensações de incomodo na região.


Os fatores de risco que aumentam as chances de desenvolver esse tumor na pele são:


- Gênero e Idade


Segundo os médicos, a doença é mais comum nos homens do que nas mulheres, e costuma surgir principalmente após os cinquenta anos, pois quanto maior o tempo de vida, também é proporcionalmente maior o tempo em que a pele foi exposta ao sol.


- Histórico familiar da doença


Aqueles que possuem antecedentes na família de casos de câncer de pele possuem inevitavelmente mais chances de desenvolver a doença e devem realizar desde cedo consultas periódicas com um médico dermatologista.


- Características da pele


Pessoas com a pele mais clara, com muitas pintas e sardas pelo corpo, cuja pele apresenta queimaduras e vermelhidão ao permanecer exposta ao sol, possuem uma tendência maior de apresentarem a doença. Dessa forma, devem estar sempre atentos sobre o aparecimento de novas pintas e observar constantemente a coloração e o formato das mesmas.


A prevenção contra a doença é bem simples, basta ter alguns cuidados com a exposição da pele ao sol, como por exemplo, usar diariamente protetor solar fator 30, evitar se expor a luz solar durante as horas em que os raios UVA e UVB estão mais intensos, que são das 10h da manhã até as 16h da tarde e não menos importante, observar com atenção se estão aparecendo novas pintas ou manchas que parecem diferentes do comum na pele.


Ir com frequência ao dermatologista e procurar acompanhamento médico também são formas de prevenir o câncer de pele, não apenas para aqueles que apresentam fatores de risco, mas para toda a população. Através de consultas periódicas com um especialista, é possível identificar os sinais da doença de forma precoce e, caso o paciente esteja com câncer, as chances de cura se tornam bem maiores quando o diagnóstico é feito rapidamente.

Câncer de mama: prevenir é melhor do que remediar.

O câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres e responde por 22% dos novos casos diagnosticados a cada ano, em todo o globo. Fazendo os exames preventivos e diagnosticando a doença em seu estágio inicial, as chances de cura aumentam se compararmos com quem inicia o tratamento já no estágio avançado.

Entre os sintomas que podem levar a esse tipo de câncer, fique de olho em alterações na pele do seio e mamilos (aspecto que lembra a casca de uma laranja) e secreções nos mamilos e nódulos nos seios que não causem dores. Nódulos na axila também devem ser encarados como alerta. Ao se deparar com um desses sintomas, procure ajuda médica.

Para quem possui no histórico familiar a presença da doença, principalmente em parentes de primeiro grau que tiveram câncer de mama antes dos 50, as chances de desenvolver a doença são maiores. Nesse caso, específico, a prevenção por meio do acompanhamento médico deve iniciar a partir dos 35 anos. Os fatores de risco para esse grupo vão desde primeira menstruação precoce até primeira gravidez após os 30 anos de idade.

As formas mais eficazes para detectar a doença em seu estágio inicial são o exame clínico e a mamografia.

No exame clínico, tumores de até 1cm, quando são superficiais, podem ser detectados por um médico ou enfermeira. Esse procedimento deve ser realizado anualmente por mulheres com mais de 40 anos.

Já na mamografia, onde o seio é comprimido no mamógrafo para permitir a geração de imagens detalhadas, lesões em fase inicial são identificadas com mais rapidez. Esse exame deve ser realizado duas vezes por ano por mulheres entre 50 e 69 anos de idade.

Você sabia?
A Lei 11.664, de 2008, estabelece que todas as mulheres têm direito à mamografia a partir dos 40 anos no Sistema Único de Saúde (SUS).

Hora de prevenir! Cuidar da sua saúde, alimentação e conhecer o seu corpo são os primeiros passos para a prevenção.

1. Obesidade? Estou fora! Adote uma dieta equilibrada e pratique regularmente exercícios físicos. Cuide da sua alimentação! O excesso de peso pode colaborar no risco do desenvolvimento da doença.
2. E aquela cervejinha? Mesmo o consumo moderado de álcool é contra-indicado.
3. Descubra-se! Toque mais no seu corpo! O autoexame das seios é importante e para você se conhecer melhor. Vale ressaltar que ele não substitui os outros exames citados acima.

O que vem por ai?
Os pesquisadores ChieuNguyen e RaviSaraf, da Universidade de Nebraska, nos Estados Unidos, aprimoraram peles eletrônicas, que são tão sensíveis quanto a minha ou a sua, para detectar sinais que remetem ao câncer de mama.

Essa pele é colocada sobre o seio e identifica nódulos suspeitos. Com a ajuda de outros equipamentos, gera imagens de altíssima resolução para que o médico possa diagnosticar com precisão.

Ainda em testes, não há previsão de chegada ao mercado.

Fontes: INCA e Inovação Tecnológica.