Dezembro laranja: aprenda como utilizar corretamente o protetor solar.

Pensando na enorme incidência dos casos de câncer de pele, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) resolveu lançar a campanha ”Dezembro Laranja”. Com o intuito de promover a conscientização de se prevenir este e outros males causados pela exposição indevida ao sol, a ação visa difundir a importância do uso correto do protetor solar. Confira algumas dicas para não errar na hora de utilizá-lo:

1- Escolha o mais adequado ao seu tipo de pele:

Há uma infinidade de tipos de protetores solares no mercado e cada um deles atende à uma necessidade em específico. Entenda:

- Peles claríssimas:
Muito sensíveis à luz do sol, tendem à vermelhidão ao invés do bronzeamento e são as mais propensas ao câncer. Indica-se fatores de proteção acima de 60.

- Peles claras:
Embora sejam um pouco mais pigmentadas que as claríssimas, ainda apresentam dificuldades em se bronzearem, o que faz com que necessitem de um produto com proteção solar de no mínimo 50.

- Peles morenas claras:
Com certa tendência a ficarem bronzeadas, precisam de fatores de proteção maior que 45, caso estejam sem tomar sol há algum tempo. Após alguns dias de exposição, pode-se reduzir para 30.

- Peles morenas escuras:
São pigmentadas, mas não podem dispensar a proteção solar de no mínimo 30, pois podem desenvolver manchas e outras complicações de maior seriedade.

- Peles negras:
Com maior pigmentação que as demais, não sofrem com as terríveis queimaduras. Protetores de fator 15 são recomendados para utilização diária e os de 30, quando sabe-se que o tempo de exposição ao sol será maior.

2- Atente para a correta aplicação:

O protetor solar deve ser aplicado diariamente e de forma generosa sobre todas as áreas que ficarão expostas ao sol. O ideal é reaplicar o produto a cada 2 horas e em caso de suor abundante, sempre que necessário. Quem possui histórico de câncer de pele na família deve procurar o auxílio de um médico dermatologista para acompanhamento mais aprofundado.

3- Cuidados com as crianças:

Após os 6 meses de vida, a criança já deve fazer uso do protetor solar. É importante que seja um produto desenvolvido especificamente para a pele dessa faixa etária, já que é bastante delicada.

Prevenção do câncer de mama, para mulheres e homens.

Algumas dicas que podem te ajudar a prevenir!

O câncer de mama, embora seja responsável por uma grande quantidade de óbitos todos os anos no Brasil e no mundo, é uma doença que tem cura. Todavia, de acordo com o INCA (Instituto Nacional de Câncer), o câncer de mama é um dos tipos de tumor maligno que mais atinge as brasileiras e um dos que mais causa mortes entre o sexo feminino em nosso país.

Essa grande ocorrência de casos fatais se deve principalmente a falta de prevenção, pois a detecção do câncer de mama em seus estágios iniciais é um fator determinante para que seja possível vencer essa doença.

O câncer de mama surge quando as células dessa região passam a se dividir de maneira anormal (acelerada), o que favorece o desenvolvimento do tumor maligno. A ocorrência dessa doença é mais comum após os 35 anos, sendo que a maioria dos casos acontece em pessoas com mais de 50 anos. É importante ressaltar que esse tipo de câncer também atinge os homens, embora em uma porcentagem bem inferior àquela observada nas mulheres.

Mostraremos a seguir como ambos os sexos podem se prevenir contra essa doença. Acompanhe e tire todas as suas dúvidas.

Fazer o autoexame da mama constante

Na verdade, o termo prevenção em relação ao câncer de mama se refere mais ao fato de detectar o seu surgimento precocemente, pois devido a diversos aspectos relacionados a essa doença ainda não existem meios precisos de evitá-la. Com isso, a melhor maneira de impedir o surgimento dos tumores é não deixar que condições de risco se instalem e estimular os aspectos que são considerados protetores contra esse tipo de câncer.

No entanto, tanto as mulheres como os homens podem tentar detectar a presença de algum nódulo em suas mamas (principal sintoma da doença) por meio do autoexame, que deve ser realizado mensalmente, principalmente em pessoas com mais de 40 anos.

Fazer uma mamografia a cada dois anos após os 50 anos

O exame de mamografia é a maneira mais eficiente de observar a ocorrência do câncer de mama. Esse exame é bastante preciso na detecção de qualquer anormalidade na mama, mesmo quando o nódulo ainda está no início de sua formação e não é possível encontrá-lo por meio do autoexame. Assim, a mamografia deve ser realizada pelo menos uma vez a cada dois anos por pessoas com mais de 50 anos.

Adotar medidas que protegem o corpo contra o Câncer

Existem diversos fatores que favorecem o surgimento do câncer de mama, tais como questões genéticas, obesidade, idade avançada, condições reprodutivas, entre outras.

Dessa forma, manter uma alimentação saudável e nutritiva, evitar o consumo de bebidas alcoólicas e praticar atividades físicas regularmente são algumas boas medidas que podem ser adotadas para evitar o surgimento de características favoráveis ao desenvolvimento do câncer de mama.

O que fazer para ter um bom sistema digestivo?

Manter o sistema digestivo saudável é fundamental para melhorar a imunidade, evitar doenças como o câncer no intestino grosso e controlar o metabolismo, sendo assim uma questão importante e que deve ser vista com bastante atenção por quem deseja um organismo sadio e bem disposto.

Para fazer com que o seu sistema digestivo funcione adequadamente, algumas dicas importantes são:

1) Evitar alimentos gordurosos, álcool e cigarro

Os alimentos ricos em gordura acabam retardando o processo digestivo, o que por sua vez, aumenta os riscos do paciente desenvolver um quadro de constipação. Além disso, o consumo em grande quantidade de álcool e cigarro também pode provocar azia e, em casos mais graves, úlceras no estômago, prejudicando assim o bom funcionamento do sistema digestivo.

2) Ingerir dois litros de água diariamente

Em primeiro lugar, a água é fundamental para manter o organismo bem hidratado e os órgãos, incluindo os intestinos, em pleno funcionamento. Além disso, durante o processo digestivo, o corpo precisa de uma certa quantidade de água para auxiliar na digestão dos alimentos. Desse modo, quando o organismo não possui água suficiente, o sistema digestivo acaba sendo prejudicado, o que também pode causar constipação.

3) Praticar exercícios físicos de forma regular

Durante a prática de atividades físicas, sejam elas mais intensas como ciclismo e corrida, ou mais leves como caminhada, ioga e pilates, o fluxo de sangue em circulação no organismo se eleva, o que, no caso do estômago e dos intestinos, facilita o processo de digestão. Em contrapartida, as pessoas que não fazem exercícios ainda possuem chances maiores de adquirirem um sobrepeso, algo que também prejudica o bom funcionamento do sistema digestivo.

4) Fazer a ingestão de fibras solúveis e insolúveis

Como o próprio nome já diz, as fibras insolúveis não podem ser digeridas pelo organismo, porém, elas são muito úteis e ajudam a tornar o processo de digestão mais fácil. Entre os alimentos que são ricos nessas fibras, estão o trigo e grãos integrais. Já as fibras solúveis, que podem ser encontradas em sementes, nozes e legumes, estas conseguem atrair água e, consequentemente, melhorar bastante a digestão.

5) Mastigar bem os alimentos

Por fim, uma dica simples e muito importante para se ter uma boa digestão é mastigar muito bem os alimentos, pois desse modo, a saliva consegue quebrar os carboidratos presentes nos alimentos ingeridos. Feito isso, o trabalho do sistema digestivo é simplificado e acaba sendo mais fácil para o organismo.

Cuidados durante a gravidez

A gravidez é uma fase bastante importante na vida das mulheres e, por razão, também é um momento que exige alguns cuidados específicos para que a saúde da mãe e do bebê permaneçam sob controle.

 

O primeiro e maior cuidado consiste em fazer o pré-natal, um acompanhamento médico que permite que as gestantes se sintam mais seguras durante a gravidez, e que também serve para monitorar o desenvolvimento do bebê e a saúde da grávida.

 

Mas além do pré-natal, existem outros cuidados que também merecem muita atenção. A seguir, listamos quais são eles e o motivo pelo qual eles são tão importantes.

 

1) Alimentação saudável
 
Optar por uma dieta balanceada e rica em alimentos que auxiliam na formação do bebê é um dos aspectos fundamentais para uma gravidez tranquila. Entre esses alimentos, estão aqueles que sejam fontes de proteína magra, como aves e peixes e os alimentos ricos em ferro, como feijão, beterraba e soja. Além disso, o cálcio também é muito importante para as grávidas, que podem incluí-lo em sua alimentação através do leite e seus derivados.
 

2) Praticar exercícios regularmente

 

A prática de exercícios durante a gestação auxilia na prevenção da diabetes gestacional e ainda contribui para que a grávida não tenha problemas na postura como dores fortes na região lombar devido ao peso da barriga. Entre as atividades mais indicadas, estão as de baixo impacto como hidroginástica e caminhadas, contudo, é necessário ter um cuidado ainda maior durante o primeiro trimestre da gravidez e consultar a opinião de um médico antes de iniciar qualquer rotina de exercícios.

 

3) Não se automedicar

 

A automedicação, além de perigosa para qualquer pessoa, é ainda mais séria no caso das gestantes pois existem uma série de remédios e substâncias que não devem ser ingeridos durante a gravidez. Por esse motivo, é muito importante perguntar ao médico antes de tomar qualquer medicamento e também antes de usar cosméticos que tenham contato direto com a pele.

 

4) Descansar o máximo possível

 

Desde o início da gravidez, é normal sentir mais sono e cansaço do que antes e esses sinais são apenas um reflexo de como o corpo precisa de mais descanso durante essa fase. Conforme os meses vão passando, muitas grávidas começam a apresentar dificuldades para dormir e relaxar devido ao incomodo provocado pela barriga, todavia, a falta de descanso pode contribuir diretamente para o aumento do estresse durante a gestação, algo que deve ser sempre evitado.

A tecnologia ajudando no controle da saúde

Com a expansão da tecnologia e o uso cada vez mais frequente dos smartphones, o estilo de vida das pessoas também está se modificando para conseguir se adaptar a todas as inovações do novo século. Em relação ao controle da saúde, é possível observar claramente que os avanços tecnológicos estão auxiliando na conscientização dos brasileiros, principalmente através dos aplicativos para smartphone.

 

Essa nova tendência, que ficou conhecida como mobile health, consiste em aplicativos que ajudam as pessoas a controlarem a sua alimentação, a praticarem exercícios físicos regularmente e até mesmo a medirem a pressão e frequência cardíaca, por exemplo.

 

Além dessas ferramentas que auxiliam na adoção de um estilo de vida mais saudável, os pacientes que possuem doenças crônicas, como a diabetes, também podem se beneficiar com essa tendência de aplicativos inteligentes relacionados a área da saúde.

 

Já no caso do SaúdeControle, por exemplo, os pacientes podem gerenciar o seu histórico médico através do arquivamento de seus exames, consultas, medicamentos, controlar a ficha clínica e ainda ter acesso a dicas sobre qualidade de vida.

 

A principal vantagem desses aplicativos é que eles conseguem fornecer um resposta imediata aos usuários, e assim auxiliam na prevenção de problemas mais sérios, que necessitariam de um atendimento médico. Além disso, a expectativa é de que nos próximos anos, com o constante desenvolvimento tecnológico, esses aplicativos se tornem cada vez mais completos e eficientes, o que pode representar uma etapa importante para a saúde pública do país, pois através de uma ferramenta como essa, é possível levar um atendimento até os lugares mais distantes e carentes de auxílio médico.

 

Contudo, é importante ressaltar que apesar de todos os benefícios proporcionados por esses aplicativos direcionados a saúde, eles ainda não são capazes de substituir o atendimento médico e devem ser utilizados como uma ferramenta de auxílio no controle diário com a saúde. Desse modo, é recomendado procurar um especialista antes de estabelecer quais serão os seus cuidados em relação a alimentação e a prática de exercícios físicos.

Envelhecer com Saúde

Por muito tempo, envelhecer foi tido como algo malquisto pela sociedade e isso não só pela população mais nova, mas por preconceito dos próprios idosos. O fato é que a vida que levamos hoje, influencia diretamente no modo como levaremos nossas vidas amanhã. O que irá responder a essa pergunta é exatamente o modo de vida que levamos atualmente. O estilo de vida urbanizado oculta situações que podem ser prejudiciais para nosso processo de envelhecimento natural, que seria o envelhecimento sem a presença de doenças, em uma condição físico relativamente saudável.

 

O processo de envelhecimento por si só já traz uma série de alterações em nosso organismo, como por exemplo a redução da massa corporal, força e função muscular. A partir dos 40 anos ocorre uma perda de massa esquelética anual de cerca de 1%, além da funcionalidade do corpo, que acaba afetando a qualidade de vida do indivíduo. Com isso, aumentam as incidências de queda, desorientação, dependências, entre outros sintomas do avanço da idade. Outros sintomas são a redução da visão, paladar, olfato e audição, esquecimento, perda de memória e uma menor resistência a infecções, traumas ou medicações.

 

Se por um processo natural o organismo humano vai passando por mudanças e comprometendo sua condição ao longo da vida, isso pode ser ainda mais grave e acelerado dependendo do estilo de vida do indivíduo. Além disso, se você é uma pessoa que não pratica atividades físicas regulares e não cuida do que ingere, poderá estar deixando uma enorme brecha para a aproximação de novas complicações, tais como a doença de Alzheimer e o mal de Parkinson. É claro que o fator genético também pode ser um indutor de algumas doenças, principalmente as neurodegenerativas. Porém, não é a causa principal.

 

Estilo de Vida e Envelhecimento Saudável

 

Sabido que o estilo de vida é o fator crucial para aumentarmos nossa longevidade, é primordial que tenhamos uma alimentação mais equilibrada, tal como a propagada pelos cientistas, que é uma alimentação mais rica em fibras e frutos do mar. Uma alimentação de baixas calorias, redução de carnes e um maior consumo de grãos e integrais são ótimas alternativas para estimular a produção de proteínas e inibir a formação de radicais livres, agentes que contribuem para a morte de nossos neurônios. Além disso, estima-se que quadros de síndrome metabólica, pressão alta, diabetes, LDH alto e colesterol alto estejam diretamente ligados com o bom ou mau funcionamento do cérebro.

 

Quem mora em centros urbanos não tem muito como fugir dos maus hábitos alimentares e do estresse do cotidiano, mas o ideal é tentar relaxar sempre que possível e engatar o bom humor. Como grande parte da população sai para fazer suas atividades fora e ficam vulneráveis a uma série de condições insalubres, a prática constante de exercícios físicos faz-se mais do que essencial para resgatar o equilíbrio de nosso organismo, diminuindo a pressão arterial e induzindo o gasto calórico. De preferência, os exercícios devem ser feitos ao ar livre, em contato com a natureza, a fim de mantermos um contato com o meio ambiente e relaxarmos de forma mais efetiva.

 

O fator social também tem um papel importantíssimo para um envelhecimento mais sadio. Por isso, evite restringir suas atividades e deixar de fazer novas amizades, além de sair regularmente para a realização de diferentes tarefas. Mantenha o cérebro sempre bem ocupado através de leituras e o aprendizado de novas habilidades. Envelhecer e manter-se ativo é complicado e demanda, além de um maior esforço, um certo grau de conhecimento e comprometimento com o próprio corpo. Mas, felizmente, estudos mostram que estamos cada vez mais preparados para encarar o envelhecimento com bons olhos, saindo da ótica de que essa é uma fase de reclusão e inatividade e se preparando para aumentar a expectativa de vida e continuar desfrutando de muitos anos de novas experiências e descobertas.

Alimentos que combatem a ansiedade

A ansiedade é um mal muito frequente na vida de milhões de brasileiros. Atualmente, um dos fatores que contribuem para o surgimento dessa condição é o estresse do dia a dia, causado principalmente pela falta de sono, cansaço e preocupações em excesso. Entre os sintomas mais comuns da ansiedade estão batimentos cardíacos acelerados, inquietação, tonturas, náusea, espasmos musculares e dificuldades na respiração.


Existem vários tratamentos para combater a doença, desde terapias até o uso de medicamentos sob indicação médica, porém, uma forma simples e natural de evitar a ansiedade é através da alimentação.


Os alimentos listados a seguir são capazes de diminuir os níveis de estresse e contribuir para o aumento das sensações de relaxamento e bem-estar.


- Frutas cítricas


Ao consumir frutas ricas em vitamina C, o corpo consegue neutralizar um hormônio chamado cortisol, que é o responsável pela percepção do estresse em nosso organismo. Além disso, elas contribuem para um melhor funcionamento do sistema nervoso e causam sensação de calma e tranquilidade.


- Carboidratos


Alimentos como pães, aveia, batata, arroz, feijão e massas são alguns dos exemplos de carboidratos que auxiliam no combate a ansiedade. Isso acontece porque eles aumentam os níveis de açúcar no sangue, o que consequentemente, dá mais energia e disposição ao corpo.


- Chocolate amargo


Esse tipo de chocolate possui uma grande quantidade de substâncias antioxidantes, que atuam na produção de neurotransmissores que melhoram o humor e provocam sensações de alegria e bem-estar. Porém, o ideal é que o consumo de chocolate amargo não seja superior a 30 gramas por dia, pois apesar dos benefícios anti-estresse, eles são calóricos e não devem ser ingeridos em excesso.


- Ovos, leite e derivados


Os alimentos derivados dos ovos e do leite são fontes ricas em um aminoácido chamado triptofano, que quando transmitido ao cérebro, é capaz de influenciar no aumento da produção da serotonina, hormônio conhecido por causar sensações de felicidade e conforto.


- Peixes e carnes


Carnes e peixes em geral possuem uma série de benefícios para o combate da ansiedade. Esses alimentos contém a substância taurina, que é um aminoácido responsável por controlar os níveis normais da ansiedade e evitar que esses níveis aumentem. Outra vantagem é o fato deles estimularem a produção da serotonina, substância reguladora do sono e um fato essencial para que o estresse e os demais efeitos da ansiedade sejam evitados.

Vacinação HPV

O HPV (Papiloma vírus humano) é uma doença sexualmente transmissível, que pode ser transmitida mesmo com o uso do preservativo. Em caso de contaminação pela doença, podem aparecer verrugas em diferentes partes do corpo, como nos lábios, na pele, nas genitais, e até mesmo lesões mais graves nessas regiões que tendem a evoluir para o câncer no colo do útero nas mulheres e câncer no pênis nos homens.


Com o objetivo de conter os avanços do HPV, que atinge uma média de 290 milhões de mulheres em todo o mundo, foi criada uma vacina em 2006, na Austrália, que até o momento já foi adotada pelo sistema de saúde de mais de 50 países. Após a adoção da vacina contra o HPV, os índices de infecção pela doença foram drasticamente reduzidos. Na Austrália, estima-se que os casos de contaminação de HPV caíram em 90%, enquanto nos Estados Unidos, a redução alcança a casa dos 50%.


A vacina é aplicada em meninas entre os 9 e 13 anos pois foi comprovada uma eficácia maior da vacina em garotas que ainda não tenham tido qualquer tipo de contato sexual. Além disso, é nessa faixa etária que o organismo responde melhor ao procedimento.


Em relação aos efeitos colaterais, não existe ainda nenhuma comprovação de que a vacina contra o HPV possa causar qualquer dano às meninas que se submetem a recebê-la. Em todos os países que aderiram ao procedimento, não foram registradas ocorrências graves, apenas casos esporádicos de dores de cabeça, febre ou dores leves no local da injeção, reações consideradas comuns para qualquer vacina. Portanto, a vacinação contra o HPV é considerada segura e fortemente indicada para as meninas que estejam nessa faixa etária.


Para chamar a atenção da população brasileira para a importância da vacina contra o HPV, o Ministério da Saúde, em parceria com as Secretarias Municipais e Estaduais de Saúde, criou uma campanha de incentivo à vacinação. Desse modo, para ter acesso à vacina, basta que qualquer menina entre os 9 e 13 anos se dirija até um posto de atendimento do Sistema Unificado de Saúde (SUS).


A vacina consiste em três doses e, para recebê-las, é necessário levar a carteira de vacinação e um documento de identificação. A segunda dose da vacina deve ser tomada em um período de seis meses após a primeira dose, e a terceira após cinco anos. Ao seguir essas medidas, as chances das meninas vacinadas em contraírem a doença são drasticamente reduzidas, desse modo, é importante a conscientização sobre o HPV e a importância da vacinação.



Fonte imagem: http://mercadomunicipaldecuritiba.com.br/wp-content/uploads/2015/06/20150623.jpg

Alimentos que ajudam e pioram a enxaqueca

As dores de cabeças fortes e frequentes, conhecidas como enxaquecas, afetam em média, um em cada cinco brasileiros. Além da sensação de mal-estar provocada pela dor, outros sintomas como náuseas, tonturas e visão embaçada também podem ser sentidos por quem sofre com esse mal.

O que muitas pessoas não sabem é que existe um método natural para amenizar as enxaquecas, que é o controle da alimentação. Primeiramente, é importante não pular refeições e se alimentar a cada três horas, pois quando o organismo fica muito tempo sem receber a energia provida pelos alimentos, os níveis de açúcar no sangue diminuem, causando a hipoglicemia que muitas vezes resulta em fortes enxaquecas.

Além disso, existem alguns alimentos que agravam as dores de cabeça e precisam ser evitados. São eles:

- Doces, chocolates e biscoitos, pois possuem uma grande quantidade de açúcar e aumentam a produção de insulina, o que contribui para o surgimento das enxaquecas.


- Café e refrigerante, a cafeína presente nessas bebidas aumenta a pressão arterial e provoca ansiedade nas pessoas, portanto, as chances de desenvolver dores de cabeça também aumentam.


- Vinho, cerveja e bebidas alcoólicas em geral, pois essas bebidas contém substâncias como a histamina e a tiramina, que causam intensas dores de cabeça.


Todavia, também existem determinados alimentos capazes de causar o efeito inverso, eliminando progressivamente as dores de cabeça e seus sintomas. Esses alimentos são:


- Feijão, batata, ervilha e tomate, além de possuírem magnésio, esses alimentos também contém um aminoácido responsável por aumentar a sensação de bem-estar e conforto no organismo, portanto, são boas opções para amenizar os sintomas da enxaqueca.


- Maça e kiwi, essas frutas são antioxidantes e auxiliam no bloqueio contra substâncias que iniciam dores de cabeça.


- Chá de camomila e de gengibre, esses dois tipos de chá possuem componentes que neutralizam os efeitos da enxaqueca e por isso são a melhor alternativa para as situações em que a dor de cabeça já está forte.


Segundo os especialistas, a água também ajuda no combate à enxaqueca, desse modo, aqueles que sofrem com a doença devem ingerir diariamente os dois litros de água recomendados pelos médicos. Igualmente a uma boa alimentação, dormir bem à noite, mantendo cerca de sete à oito horas de sono por dia e evitar o estresse e a ansiedade, são algumas outras formas naturais de afastar o grande incomodo que são as enxaquecas.

Tireoide: causas, sintomas e tratamentos

A tireoide é uma pequena glândula localizada na parte inferior do pescoço, fixada à laringe. Ela é responsável pela produção dos hormônios T3 e T4, que auxiliam no controle dos batimentos cardíacos, na capacidade de concentração cerebral, nas funções intestinais, na respiração celular e na regulação do humor e do ciclo menstrual da mulher. Portanto, o bom funcionamento dessa glândula é fundamental para a saúde do organismo humano.
Entre as doenças mais comuns na tireoide, temos:

- Hipotireoidismo


Ocorre quando a produção de hormônios pela tireoide é menor do que deveria ser. Os sintomas mais comuns desse distúrbio são uma frequência cardíaca reduzida, letargia, depressão, alterações no ciclo menstrual, formigamento nas mãos e maior sensibilidade ao frio.


- Hipertireoidismo


É o contrário do hipotireoidismo, pois é resultado de uma produção excessiva de hormônios pela glândula da tireoide. Nesse caso, os sintomas mais frequentes nos portadores desse distúrbio são uma perda de peso rápida e sem explicação, palpitações cardíacas, sensação de nervosismo, fraqueza muscular e aumento da pressão arterial.


- Câncer da tireoide


O câncer na tireoide é mais comum nas mulheres e, na maioria dos casos, atinge pacientes que possuem um histórico da doença na família, que foram de algum modo expostos à radiação ou que já tiveram alguma síndrome genética. Os sintomas mais comuns do câncer da tireoide são o aparecimento de um nódulo na região inferior do pescoço e consequentemente, rouquidão, tosses duradouras e dificuldade para engolir.


Após ser diagnosticado com qualquer uma dessas três doenças, o paciente deve iniciar imediatamente o tratamento adequado sob orientação médica. No caso do câncer, o procedimento padrão consiste em uma cirurgia e, dependendo da gravidade do tumor, em sessões conjuntas de radioterapia e quimioterapia.


Para o tratamento do hipotireoidismo e do hipertireoidismo, o mais comum é que o paciente precise tomar medicamentos que controlem a produção de hormônios pela tireoide. Porém, também é possível que uma intervenção cirúrgica precise ser feita. Por esse motivo, é fundamental que qualquer um que sinta os sintomas listados acima, principalmente os idosos, procurem o auxílio de um especialista para que os exames correspondentes sejam realizados e, em caso de confirmação da doença, o tratamento certo seja aplicado.

Não existe uma fórmula específica para prevenir as doenças da tireoide. Contudo, a principal indicação é que todas as pessoas acima dos quarenta anos realizem anualmente o exame que mede a dosagem dos hormônios T3, T4 e TSH no organismo. Desse modo, qualquer irregularidade é rapidamente notada e o paciente pode iniciar o tratamento antes de apresentar sinais da doença.


(Ref imagem: http://ulbra-to.br/encena/2015/02/05/Os-males-ocultos-da-tireoide)